8.10.06

Os Delatores




Joaquim Silvério dos Reis Montenegro passou à história como principal delator da inconfidência. Era homem abastado, com várias fazendas na região de Barbacena, contratador de entradas e grande devedor à coroa. Após a inconfidência não teve sossego pois o povo o perseguia. Em 1790 sofreu um atentado a bala no Rio de Janeiro. Viu um homem ser espancado em frente a sua casa, confundido com ele, tentaram incendiar seus armazéns. O povo o insultava na rua. Declarou que não podia viver em minas. Foi para Portugal, depois voltou ao Brasil, para morar em São Luiz do maranhão, onde morreu.
Inácio Correia Pamplona era um grande fazendeiro e desbravador do sertão do triângulo mineiro, terrível Capitão do mato, vivia em sua fazenda do Mendanha, em Lagoa Dourada. Depois de denunciar a inconfidência, não recebeu regalia alguma e em seu testamento reclama do Visconde de Barbacena e declara textualmente em 1806 que “ Pelo ódio que todo o povo me tem, parece-me que hei de morrer assassinado...” e sei que meu filho mesmo, depois de visto este testamento, maior há de ser ódio que todo o povo do Brasil lhe há de Ter, só por ser filho de tal pai...”

3 comentários:

João Paulo Ferreira de Assis disse...

Chamo a atenção dos prezados senhores para um equívoco de pequena monta verificado no verbete ''Os Delatores''. Quem reclamou do Visconde de Barbacena no seu testamento, de 1806, foi Basílio de Brito Malheiros do Lago, o 2º denunciante dos Inconfidentes. Por estar no mesmo parágrafo passa-se a impressão de ter sido reclamante, Inácio Correia Pamplona.

Tarcísio José Martins disse...

Além dos três delatores citados (2 na matéria e 1 no cometário) há mais 9 delatores, a maioria com seus restos mortais depositados no Mausoléu da Inconfidência que, assim, deveria se chamar Mausoléu dos delatores. Silvério dos Reis recebeu os prêmios porque foi o primeiro a delatar, fato que, no entanto, não pode absolver os demais delatores.
Tarcísio José Martins

Tarcísio José Martins disse...

Além dos três delatores citados (2 na matéria e 1 no cometário) há mais 9 delatores, a maioria com seus restos mortais depositados no Mausoléu da Inconfidência que, assim, deveria se chamar Mausoléu dos delatores. Silvério dos Reis recebeu os prêmios porque foi o primeiro a delatar, fato que, no entanto, não pode absolver os demais delatores.
Tarcísio José Martins